ÍNDICE
Breve História da Córsega
Como escolher um hotel
Como chegar à Córsega
Rede de Transportes
Outras Informações Turísticas



Mapa da Córsega



Pascal Paoli



Napoleão Bonaparte

BREVE HISTÓRIA DA CÓRSEGA

Em 1975 foi descoberto, perto de Bonifácio, um esqueleto feminino com mais de 8500 anos, o que atesta a antiguidade da presença humana nesta ilha.

No início do 6.º milénio a.C. a agricultura começa a desenvolver-se, substituindo, nos vales e nas colinas baixas, a actividade da caça.

Em 565 a.C. os gregos instalam-se na costa ocidental e fundam a cidade de Alalia. Este povo introduz a escrita, inicia o cultivo da vinha e da oliveira e desenvolve o comércio com recurso a um sistema monetário.
Em 259 a.C., os romanos desembarcam na Córsega e destroem Alalia. Os habitantes locais oferecem forte resistência durante perto de 100 anos mas acabam por ser completamente dominados. Em 100 a.C. a cidade de Alalia passa a chamar-se Aléria, transformando-se na capital da ilha.

A partir de 455 a Córsega é invadida sucessivamente por Vândalos, Ostrogodos, Bizantinos e Mouros. O mar envolvente torna-se hostil, levando os habitantes da ilha a refugiar-se nas montanhas onde se dedicam à agricultura de subsistência e à pastorícia.


CONTINUAÇÂO DA PRIMEIRA PÁGINA

Carlos Magno afasta os Mouros durante algum tempo mas estes acabam por regressar. Apenas em 1016 são definitivamente expulsos por por pisenses e genoveses que lutam entre si, durante vários séculos, pelo controlo desta ilha.

Em 1553 as tropas de Henri II, rei dos franceses, comandadas pelo coronel corso Sampieru Corsu, conquistam Bastia, Corti, Ajácio e Calvi. Este militar transforma-se numa figura emblemática da luta contra os genoveses. Pelo tratado de Cateau-Cambrésis, em Abril de 1559, a França devolve a Córsega aos genoveses. Sampieru Corsu reinicia a sua conquista em 1564 mas acaba, três anos depois, por ser morto numa emboscada. Os genoveses expõem a sua cabeça em Ajácio.

De 1569 a 1729, Génova exerce um poder absoluto sobre a Ilha. Jovens corsos formados nas universidades italianas de Pisa, Florença, Bolonha e Roma rergressam à sua ilha natal decididos a obter lugares proeminentes na gestão da Córsega. Deixados à margem pelos genoveses, acabam por emigrar.

Em 1730 há um sublevação popular contra um novo imposto à qual se seguem levantamentos contra o domínio genovês enfraquecido militarmente devido a decadência política. A revolução conduz a Córsega à independência, proclamada em 1735.

Em Novembro de 1730, pelo tratado de Fontainebleau, a França ajuda os genoveses a reconquistar a Córsega. As tropas francesas permanecem na ilha até Fevereiro de 1753, altura em que Génova exige a sua retirada.

Em 1755 Pascal Paoli é eleito "General da nação Corsa". O seu espírito aberto leva-o a realizar a independência da ilha de uma maneira mais reflectida. É adepto da liberdade de consciência e do sufrágio universal, incluindo o voto das mulheres chefes de família. Com ele a Córsega torna-se a primeira nação moderna da Europa. A sua postura inspira Georges Washington. Desenvolve a agricultura (é desta altura a introdução do cultivo da batata) e abre a ilha ao comércio mediterrânico. A pedido dos genoveses, Luís XV envia, em 1765, o conde de Marbeuf com o intuito de conciliar os interesses dos corsos e dos genoveses. Paoli recusa passar-se para o serviço da França.

Em 1769, nasce, em Ajaccio, Napoleão Bonaparte, que se tornará, mais tarde, imperador dos franceses.

Em 15 de Maio de 1768 é assinado o tratato de Versailles. Em troca dos serviços prestados pelos franceses (imposição da ordem na ilha), os genoveses prescindem dos seus direitos de soberania sobre a Córsega. Paoli revolta-se contra este tratado mas acaba por ser dominado pelos exércitos franceses, sendo obrigado a exilar-se na Inglaterra. É o fim da independência da Córsega que passa a estar incorporada no território da França.

Em 1794 os franceses deixam a Córsega e esta torna-se inglesa. Paoli regressa mas o seu papel é minimizado pelos ingleses que vêm na ilha apenas fins estratégicos e económicos. Chamado a Londres, acaba, alguns anos depois, por aí morrer.

Em 1796 os franceses retomam definitivamente o controlo da Córsega.

Nos últimos anos os Corsos tem vindo a desenvolver esforços no sentido de obter uma maior autonomia relativamente ao poder central.

VOLTAR À PRIMEIRA PÁGINA


La Corse est une terre de culture - versão em francês
Corsica is a land of history culture - versão em inglês
Ir para o início da página
© 2004 O Leme