Magazine Efemérides

MAGAZINE

Efemérides do dia 24 de novembro



Nascimento de António Gedeão
Faleceu a 19 de fevereiro de 1997

A 24 de novembro de 1906, nasce, em Lisboa, Rómulo Vasco da Gama de Carvalho, professor, investigador e poeta.

Como pedagogo, oi autor de inúmeras obras de divulgação científica e, como poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão, escreveu conhecidos poemas como Lágrima de Preta e Pedra Filosofal.

15 mortos e 200 feridos em violenta explosão na Fábrica de material de guerra

Às 13 horas, 49 minutos e 30 segundos do dia 24 de novembro de 1953, uma violenta explosão eclode na fábrica de material de guerra em Braço Prata (Lisboa) originando 15 mortos, mais de 200 feridos (dos quais 149 deram entrada no banco do Hospital) e avultados prejuízos materiais.

Os jornais da época referem que este acidente teria resultado da deflagração acidental de uma mina antitanque.

O Diário de Lisboa desse dia refere, na página 7, uma coincidência trágica: há cinco anos, à mesma hora, dera-se, também, uma explosão na Fábrica de Explosivos de Amora, em que morreram 23 pessoas e houve numerosos feridos.

Fonte 1: O Primeiro de Janeiro n.º 324, de 25-11-1953, 85.º ano de publicação, pp. 1 e 5 e dias seguintes
Fonte 2: Diário de Lisboa n.º 11128, de 24-11-1953, 33.º ano de publicação, 2.ª. Tiragem, pp. 1, 6 e 7 e dias seguintes
Imagem: Fonte 2, página 7

Descerrada no Campo Grande estátua de Marechal Carmona

Na manhã do dia 24 de setembro de 1970, é descerrada, no topo norte do Campo Grande, uma estátua de Marechal Carmona

O Diário de Lisboa desse dia escreve:

«A estátua agora inaugurada é da autoria do escultor Leopoldo de Almeida, sendo o projeto do arq.º Jorge Segurado. O monumento, de pedra vermelha e preta e de mármore branco, compõe-se de 3 partes distintas: a estátua de bronze, com 4,20 m de altura, pesando 2 toneladas, 2 pórticos laterais, sustentados, cada um, por 7 colunas, e que se apoiam na parte central, uma parede curva. Na estátua encontra-se inscrito a frase Por Portugal uno e indivisível e um trecho de Salazar pronunciado por altura da morte do antigo Chefe do Estado».

Fonte: Diário Popular n.º 17216, de 24-11-1970, 50.º ano de publicação, 2.ª Tiragem, pp. 1 e 17

Atualmente, esta estátua já não se encontra neste local, tendo sido transferida para o Museu da Cidade.