| Página Principal  | Canal de História  | Juntar sítio  | Contactos  |
O Leme - Biografias

ÚLTIMAS PALAVRAS DE PESSOAS FAMOSAS

Pesquisa de Maria Luísa V. de Paiva Boléo para o Portal O Leme
Texto revisto em 17-11-2004 e publicado a 28-11-2004
Outros textos desta autora

29 de 41

Cada ano que passa, somos surpreendidos com a perda de alguém próximo ou mais afastado que nos habituámos a ver nesta comunicação social global, que todos aproxima. Tempos houve em que as mortes não eram tão súbitas e o moribundo ou o condenado à morte ainda podia despedir-se dos que amava e proferir frases que ficaram na História. Aqui ficam as "últimas palavras" de 41 personalidades de todos os tempos e de várias culturas.

  1 - Epaminondas
  2 - Esopo
  3 - Santo Estevão
  4 - Caio Júlio César
  5 - Gregório VII
  6 - Afonso de Albuquerque
  7 - Thomas Cromwell
  8 - Juan de Padilla
  9 - Henrique VIII
10 - Inácio de Loyola
11 - Ana Bolena
12 - Isabel I de Inglaterra
13 - Maria Stuart
14 - Ninon de Lenclos
15 - Vatel
16 - John Locke
17 - Frederico II da Prússia
18 - Maria Antonieta
19 - Jorge IV
20 - George Washington
21 - Adam Smith
22 - Conde de Mirabeau
23 - Amadeus Mozart
24 - Vittorio Alfieri
25 - Goëthe
26 - Madame de Staël
27 - Lord Byron
28 - Madame Roland
30 - Almeida Garrett
31 - Walter Scott
32 - Sir Horatio
33 - Ludwig von Beethoven
34 - Friedrich Schiller
35 - Benjamin Disraeli
36 - Inocêncio da Silva
37 - Guilherme Braga
38 - Alfred Taunay
39 - Visc. de Rio Branco
40 - Richard Wagner
41 - Rosalía de Castro

Bocage

1765 - 1805


(...) Rasga meus versos. Crê na eternidade.


Poeta português entre os maiores. Brigão, é ainda hoje mal conhecido. Em 1779, Bocage é cadete no 7º de Infantaria de Setúbal. Acaba por partir para Goa. Admirava Camões e sentia-se irmanado com ele nas desventuras amorosas e nas viagens pelo Oriente, tendo estado em Damão e Macau. Pré-romântico, foi amigo da Duquesa de Alorna e de Filinto Elísio, todos da Nova Arcádia. Em 1790, estava de regresso a Lisboa, que era onde se sentia bem. Ao aproximar-se a hora da morte, escreveu: (...) Rasga meus versos. Crê na eternidade.


Pesquise Bocage em mais 300 motores de busca de 50 países


Ir para o início da página