Portal > História > Efemérides > 3 de maio

E F E M É R I D E S

3 DE MAIO

 1469

Nicolau Maquiavel      Faleceu a 21 de junho [?] de 1527

A 3 de Maio de 1469, nasce, em Florença, Nicolau Maquiavel, filósofo, historiador e dramaturgo renascentista. Escreveu, entre outros textos, O Príncipe.

 1902

Assinatura do contrato para a construção da linha ferroviária entre Setil e Vendas Novas

Em dezembro de 1888, é constituída a «Companhia dos Caminhos de Ferro Meridionais» que se propõe construir e explorar uma transversal ferroviária ligando as linhas de leste com as do sul, entre Setil e Vendas Novas. A 3 de maio de 1902, a «Companhia dos Caminhos de Ferro Meridionais», na sua qualidade de concessionária, assina um contrato com a «Companhia Real», delegando nesta a construção da linha. A sua inauguração ocorrerá a 14 de janeiro de 1904.

Fonte: Gazeta dos Caminhos de Ferro n.º 1892, de 16-10-1966, p. 295

 1911

Criação da Guarda Nacional Republicana

O diário do Governo n.º 103/1911, série I de 04-05-1911, publica um Decreto com força de lei de 3 de maio, organizando um corpo especial de tropas denominado Guarda Nacional Republicana, para velar pela segurança pública, manutenção da ordem e proteção das propriedades públicas e particulares em todo o país.

 2005

Menina inglesa de três anos desaparece de aldeamento turístico em Lagos

A 3 de maio de 2007, Madeleine, uma menina inglesa de três anos, desaparece de um complexo turístico na praia da Luz, em Lagos, no Algarve.

Fonte: Público n.º 6245, Edição Lisboa, de 03-05-2007, pp. 5 e 44

Apesar do desaparecimento de crianças ser frequente em todo o mundo, o “caso Maddie”, nome pelo qual ficou conhecido, tem tido, ao longo dos anos, grande mediatismo. Os MacCann, pais da menina, tudo têm feito para não deixar este caso no esquecimento, tendo envolvido na sua busca as polícias portuguesas e britânicas para além de detetives privados. Os pais chegaram a ser constituídos arguidos em virtude de cães polícias devidamente treinados terem farejado odor a cadáver no apartamento ocupado pelos MacCann assim como numa viatura que estes alugaram posteriormente. Numa entrevista à RTP, os pais da criança afirmaram que o faro dos cães não era fiável. Entretanto, já foram gastos mais de 13 milhões de euros nesta investigação, sem qualquer resultado.