Início Efemérides

EFEMÉRIDES

Aconteceu a 30 de setembro de 1998



Último dia da Expo'98, dedicada aos Oceanos

A 30 de setembro de 1998, encerra, em Lisboa, a Expo’98 subordinada ao tema "Os oceanos: um património para o futuro".

Aberta a 22 de maio de 1998, a Expo’98 integrou-se na comemoração dos 500 anos dos Descobrimentos Portugueses.

Com a participação de 143 países e 14 organizações internacionais, constituiu um momento inolvidável da vida da cidade de Lisboa, que recebeu, na altura, inúmeros melhoramentos, nomeadamente novas infraestruturas ferro-rodoviárias, para acolher condignamente os milhões de visitantes nacionais e oriundos de todo o Mundo aguardados nesta Feira Mundial.

A degradada zona oriental da cidade passou por uma completa remodelação para receber este evento.

Para entrar nesta Feira, havia um livre-trânsito que custava 50 contos (o equivalente a 250 euros) e ainda bilhetes de um dia a 5 mil escudos (cerca de 25 euros), três dias a 12 500 escudos (cerca de 62 euros) e ainda bilhetes para visitas noturnas, após o fecho dos pavilhões, a 2 500 escudos (cerca de 12,50 euros).

Durante os quatro meses em que esteve aberta, milhares de atividades culturais levaram mais de 11 milhões de pessoas a visitar este recinto.

No dia do encerramento da Expo’98, uma quarta-feira, ocorreu a maior enchente: portugueses oriundos da área da Grande Lisboa, depois de saírem dos empregos, ocorreram ao recinto para se despedir deste evento. A afluência às várias entradas da feira foi de tal ordem que os torniquetes não conseguiram dar vasão a tão elevado número de pessoas, deixando, a partir de determinada hora, de controlar os acessos, numa altura em que já se contabilizavam 215 000 visitantes noturnos que se haviam juntado aos que, desde a manhã, aqui permaneciam.

Durante o espetacular fogo-de-artifício de encerramento, ouviram-se constantes vivas a Portugal.

Até de madrugada, os empregados dos inúmeros bares do recinto não tiveram mãos a medir. A zona descoberta por detrás do Oceanário, onde num pequeno palco se cantava o Fado, já não comportava mais gente. Algumas fadistas lamentaram que à “canção nacional” tivesse sido atribuído um espaço tão insignificante comparativamente a outras expressões artísticas.

À saída do recinto, já a altas horas da madrugada, a estação de metro do Oriente recebeu a maior enchente de que há memória, obrigando os funcionários a controlar o fluxo de passageiros.

E assim terminava a maior exposição alguma vez realizada em Portugal.

A 16 de outubro desse mesmo ano, o recinto voltou a abrir, com entrada livre, recebendo o nome de Parque das Nações.

Esta exposição criou infraestruturas reutilizáveis: a entrada principal da exposição reabriria mais tarde como centro comercial Vasco da Gama, os pavilhões que receberam muitos dos países convidados foram transformados na nova Feira Internacional de Lisboa, o Pavilhão do Conhecimento transformou-se no Centro Ciência Viva, o da Utopia é atualmente o Altice Arena e o Pavilhão do Futuro acolheu o Casino Lisboa. O Oceanário continua aberto, constituindo uma enorme atração para portugueses e estrangeiros.

Centenas de edifícios de escritórios e habitação foram entretanto construídos neste local, transformando o antigo recinto e a zona envolvente num dos mais atraentes (e caros!) bairros de Lisboa.

Leia também

GRANDES EXPOSIÇÕES INTERNACIONAIS

Estamos a reunir, num único local, os artigos sobre Grandes Exposições Internacionais que têm vindo a ser publicados, com regularidade, no âmbito das Efemérides.




TOPO