Portal > História > Efemérides > 18 de fevereiro

E F E M É R I D E S

18 DE FEVEREIRO

 1959

Morte do almirante português Gago Coutinho      Nasceu a 17 de fevereiro de 1869

A 18 de fevereiro de 1959, faleceu, em Lisboa, Carlos Viegas Gago Coutinho, almirante português que, em 1921, realizou, com Sacadura Cabral, a primeira travessia aérea do Atlântico Sul.

 1965

Salazar profere o discurso "Erros e fracassos da era política"

A 18 de Fevereiro de 1965, Salazar profere o discurso "Erros e Fracassos da era política" na tomada de posse da nova Comissão Executiva da União Nacional.

Fonte: Diário de Lisboa n.º 15150, de 18-02-1965, 44.º ano de publicação, p. 1

Este discurso sintetiza a ideologia que presidiu aos destinos de Portugal durante quatro décadas. O Portal da História transcreve-o, acompanhado de um preâmbulo com um esclarecedor enquadramento histórico da autoria de Manuel Amaral.

 1978

Última homenagem a 32 vítimas do Tarrafal

Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26 539, de 23 de Abril de 1936, o Governo português do Estado Novo criou, no concelho do Tarrafal, ilha de Santiago, Cabo Verde, uma colónia penal para onde enviava os opositores ao regime. Muitos acabaram por parecer ali, devido às condições desumanas em que eram obrigados a viver e à tortura a que foram submetidos.

Quatro anos depois da implantação da democracia em Portugal, foram enviados para Lisboa os restos mortais de 32 dessas vítimas. O País prestou-lhes uma última homenagem na Sociedade Nacional de Belas-Artes, onde os restos mortais destes lutadores pela liberdade estiveram durante dois dias em camara ardente. Por ali passaram inúmeros anónimos e destacadas personalidades da vida política portuguesa, nomeadamente Mário Soares, que também sofreu uma deportação naquela colónia penal. Após esta homenagem, na tarde do dia 18 de fevereiro de 1978, as 32 urnas, cobertas por milhares de flores, foram conduzidas ao cemitério do Alto de São João, onde lhes foi atribuída uma última morada digna, já que tão cedo desta vida foram ceifados apenas porque ambicionavam um regime democrático para o seu país.

Fonte 1: Decreto-Lei n.º 26 539, de 23 de Abril de 1936
Fonte 2: Diário de Lisboa n.º 19585, de 18-02-1978, 57.º ano de publicação, pp. 1 e 11