Portal > Conteúdos > História > Efemérides > 6 de janeiro

E F E M É R I D E S

6 DE JANEIRO

Morte de Louis Braille      Nasceu a 4 de janeiro de 1809

A 6 de janeiro de 1852, morre, vitimado pela tuberculose, Louis Braille, criador do sistema de leitura para cegos.


Álvaro Cunhal publica no jornal "O Diabo" o artigo "Aviso Prévio" sobre a guerra

A 6 de janeiro de 1940, Álvaro Cunhal publica, no jornal "O Diabo" nº. 276, o artigo "Aviso prévio", a propósito do conflito bélico que assolava o mundo de então e que ficaria conhecido historicamente por Segunda Grande Guerra (1939-1945).

Para apreciação, transcreve-se a seguinte passagem:

«Unidade de movimentos não significa identidade de objetivos. Mal foi terem-se alimentado ilusões. Homens que se encontram e resolvem caminhar juntos não se tornam, por esse facto, irmãos gémeos. Pela mesma razão por que aglomerados aliados numa etapa dum movimento transformador se não fundem num só aglomerado. Muitas vezes marcham a par camadas da população, cujos interesses coincidem num movimento, mas que os destinos históricos virão a separar (...)»

Profunda remodelação do ensino em Portugal

A 6 de janeiro de 1971, o Ministro da Educação, em discurso televisionado e radiofónico, anuncia as bases de dois importantes documentos que irá propor à discussão pública: cada português passará a frequentar obrigatoriamente a escola até aos 14 anos e, no caso de ter mais de 25 anos de idade, poderá ingressar nas universidades se demonstrar suficiente maturidade.

Fonte: Diário de Lisboa n.º 17257, de 07-01-1971, 50º ano de publicação, pp. 1 e 3

A implementação desta medida iria ter grande impacto na sociedade portuguesa da época. Atualmente, através do Decreto-Lei 64/2006, de 21 de Março, os maiores de 23 anos, independentemente das habilitações académicas de que são titulares, podem candidatar-se à frequência do ensino superior mediante a prestação de provas de competência.

Nem as vicissitudes da história alguma vez abalaram a nossa vocação ecuménica

A 6 de janeiro de 1977, o corpo diplomático acreditado em Lisboa apresentou, no Palácio da Ajuda, cumprimentos de Ano Novo ao Presidente da República, general Ramalho Eanes. O Núncio Apostólico, decano do corpo diplomático, saudou o Presidente, apresentando votos de que «no novo ano, o povo português, tão nobre e tão seguro dos princípios que lhe moldam a consciência, se sinta cada vez mais capaz de corresponder à sua vocação e ao seu destino». Em resposta, Ramalho Eanes disse que «nós, os portugueses, enfrentamos o ano de 1977 conscientes das dificuldades que nos esperam […] Somos uma pátria de entre as mais antigas da Europa e nunca a nossa projeção no Mundo que ajudámos a conhecer e a construir afetou a essência do que nos define como povo, nem as vicissitudes da história alguma vez abalaram a nossa vocação ecuménica».

Fonte: Diário Popular n.º 12126, de 06-01-1977, 35º ano de publicação, pp. 1 e 24

Morte de Ilse Losa      Nasceu a 20 de Março de 1913

A 6 de Janeiro de 2006, morre, no Porto, Ilse Losa, escritora portuguesa de origem alemã. Veio para Portugal em 1934, fugindo à perseguição nazi. É conhecida principalmente como autora de textos para crianças e pelo seu livro sobre as memórias das perseguições aos judeus.

Fonte: Público n.º 5764, de 07-01-2006, Edição de Lisboa, Ano VI, p. 40