ISABEL ALLENDE

Lima - Perú, 1942

Fotografia de Isabel Allende

Se não fosse o golpe militar de Pinochet, talvez Isabel Allende continuasse a ser uma jornalista que gostava da sua profissão, não se tornando assim na mais famosa romancista contemporânea da América Latina. A morte de seu tio, presidente socialista democraticamente eleito, e o clima de terror que se seguiu ao atentado, obrigaram-na a abandonar o Chile, com a família, para buscar refúgio na Venuzuela. Na pátria ficou um velho avô, patriarca que havia assombrado na sua infância. Do exílio, para manter vivos os laços afectivos, a neta começa a escrever-lhe uma longa carta. Essa carta foi o ponto de partida da A Casa dos Espíritos (1980), um romance vigoroso que narra a história de uma família, parecida com a sua, desde o início do século, espelho das vicissitudes que o país entretanto atravessou. Formalmente inspirado no realismo mágico de Garcia Márques, mas sem perder de vista a realidade social chilena, o romance dá especial relevo a retratos de mulheres, que, sem terem o poder, possuem, contudo, poderes secretos, capazes de tomar a vida, no dia-a-dia, mais humana, de modo a contrabalançar a autoridade inquestionada dos tiranos domésticos. Com o correr do tempo, o livro, que em breve se transformou num êxito de vendas e foi adaptado ao cinema, acabou por intregar-se, naturalmente, numa trilogia de que fazem parte Filha da Fortuna (1999) e o recente Retrato a Sépia : no conjunto, uma saga familiar onde ecoam, mas vivências de sucessivas gerações, os problemas de um Chile conturbado que a escritora escolheu como pátria, apesar de ter nascido, acidentalmente, no Peru e de viver, actualmente nos Estados Unidos da América. De caminho, forma surgindo novas obras assinadas por Isabel Allende: entre outras, De Amor e de Sombra (1984), Eva Luna (1987), O Plano Infinito (1991), Afrodite (1994) e Paula (1995), onde a autora cumpre o luto por uma filha que acaba por morrer no termo de uma filha que acaba por morrer no termo de uma longa doença de que o seu amor não conseguiu salvá-la. Uma vez mais, a literatura como catarse, com resultados esteticamente brilhantes e existentes comoventes.

in Mulheres nas Letras, Mulheres dos Livros


Acesso directo a mais de 500 Motores de Busca


Ir para o início da página