Procurar:

 

Portal > Conteúdos > Biografias > Clara Campoamor


      36 de 80

As mulheres, no mundo ocidental, vivem mais tempo que os homens, assim o afirmam as estatísticas. Numa sociedade que ainda não soube rentabilizar a sabedoria dos mais velhos, esta é uma boa ocasião para apresentar 80 mulheres com 80 anos ou mais, que deixaram a sua marca na história dos povos. Privilegiámos as portuguesas. Espante-se com a diversidade de actividades que tiveram ou têm, desde os Nobel da Medicina e da Paz, à fotografia, meteorologia, teatro, literatura, desporto, política, moda, música e tudo o mais.


Clara Campoamor
(1888-1972)


Escritora espanhola viu a luz do dia numa família pobre, porém conseguiu formar-se em Direito, em 1924. Iniciou as suas actividades políticas, em 1925, quando foi nomeada para o Colégio de Advogados. Em 1931 obteve um lugar no primeiro parlamento da Primeira República daquele país, a par de Victoria Kent. Pediu como outras mulheres em todo o mundo, o voto para as mulheres, o que aconteceu, pela primeira vez, em 1933, porém o golpe militar de 1936 forçou-a ao exílio. Destino Buenos Aires. Porém, foi na Suíça que acabou por fixar residência até à sua morte, dado o regime franquista nunca a autorizou a regressar à pátria. Deixou diversas obras sobre os direitos humanos. Clara Campoamor também redigiu, com outras pessoas, o texto da lei do divórcio. Há em Móstoles (Espanha) o Instituto Clara Campoamor. Deixou obras escritas de pendor feminista como "El Voto Feminino y Yo", "Mi Pecado Mortal" e "El Derecho Femenino en España"(1936), "La situación jurídica de la mujer española" (1938). É considerada uma das "mães" do feminismo espanhol.


Indexar Sítio | Novidades | Sítios mais populares | Modificar Indexação
___
O Leme é uma marca registada portuguesa que se dedica à criação e alojamento de portal para busca de sites
© Maria Luísa V. de Paiva Boléo (texto) e JFMF (formato). Todos os direitos reservados