Portal > Conteúdos > Biografias > Sophia de Melo Breyner Andresen


      74 de 80

As mulheres, no mundo ocidental, vivem mais tempo que os homens, assim o afirmam as estatísticas. Numa sociedade que ainda não soube rentabilizar a sabedoria dos mais velhos, esta é uma boa ocasião para apresentar 80 mulheres com 80 anos ou mais, que deixaram a sua marca na história dos povos. Privilegiámos as portuguesas. Espante-se com a diversidade de actividades que tiveram ou têm, desde os Nobel da Medicina e da Paz, à fotografia, meteorologia, teatro, literatura, desporto, política, moda, música e tudo o mais.


Sophia de Melo Breyner Andresen
(1919-2004)


Poeta e ficcionista portuguesa, nasceu no Porto numa família aristocrata. Muito pequena começou a escrever poesia. O seu imaginário riquíssimo foi embalado nas histórias da "Nau Catrineta" ,bem como nas aventuras de Gulliver, em "Sindbad o Marinheiro" e nas "Mil e Uma Noites". Foi uma poeta apaixonada pelo mar e pela cultura grega. Estudou Letras em Lisboa, que não concluiu. Escreveu "Poesia" em 1944 a que se seguiram "Dia do Mar", "Coral", "No Tempo Dividido", Mar Novo", "O Cristo Cigano", “Livro Sexto”, “Geografia”, “Dual”, "O Nome das Coisas", "Navegações" e "Ilhas". Casada com o jornalista Francisco de Sousa Tavares, foi mãe de cinco filhos e para eles terá começado a escrever, os enormes sucessos como livros para a juventude como a "A Menina do Mar", "A Fada Oriana", "O Cavaleiro da Dinamarca" e "A Floresta". Sophia, politicamente de esquerda, teve bastantes problemas com a polícia política do regime salazarista. Lutou pela liberdade como tantos outros. É considerada a mais importante poeta da literatura contemporânea. Recebeu diversos prémios e na Internet pudemos encontrar muitos poemas seus.